26.2 C
Goiás
quarta-feira, 28 outubro 2020
No menu items!

Junho Vermelho reforça importância das doações de sangue na Hemorrede Pública de Goiás

Leia Também

Boletim diário do coronavírus passa por mudanças

Bolsonaro confirma alterações e diz que medida visa “evitar subnotificações e inconsistência” Ana Caroline Alves Nessa última sexta feira (5),...

Educação em tempos de pandemia

Diante da pandemia e do fechamento temporário das escolas, o ensino a distância (EAD) vem sendo utilizado para minimizar...

Para os apaixonados

Goiânia contara com uma programação super especial para os dias dos namorados Barbara Zani Borborema Miranda Apesar do isolamento social, Goiânia...
Raimunda Araújo
Raimunda Araújohttps://goiaspost.com.br/
Estudante do 3° período de jornalismo na PUC Goiás.

Com a pandemia, bancos de sangue da rede pública de saúde de Goiás registraram queda de 15% no último mês

 Assessoria de Comunicação do Idtech

 A Hemorrede Pública de Goiás aderiu à campanha nacional junho Vermelho, que tem como proposta conscientizar a população sobre a importância da doação de sangue. A ação envolve as nove unidades da Hemorrede, em Goiânia e no interior, que mesmo durante a pandemia da Covid-19 continuam funcionando normalmente para receber os doadores, de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas. “É importante destacar que a pandemia não interrompeu os atendimentos nas unidades. Nossa. Muitas pessoas dependem de transfusão sangue, sem contar, os atendimentos emergenciais relacionados a acidentes automotivos, transplantes e outros procedimentos. Para se ter uma ideia, nossa demanda média mensal é de 3.200 bolsas de sangue”, frisa, a diretora-geral da Hemorrede Pública do Estado, Denyse Goulart.

Segundo a diretora, a adesão da população tem sido primordial para a manutenção dos estoques dos bancos de sangue da Hemorrede em Goiás. “No início da pandemia observamos um déficit de cerca de 20% comparado ao mesmo período de 2019. A população tem comparecido, mas ainda registramos uma queda de 15% nas doações no último mês. Porém, precisamos que as pessoas continuem doando para que o estoque seja mantido, pois os hemocomponentes têm validade entre cinco e 42 dias e alguns grupos sanguíneos são mais raros na população”, diz Denyse. Ela destaca também o apoio que o Hemocentro Coordenador vem recebendo de empresas com apoio logístico, levando doadores gratuitamente ou com descontos até o Hemocentro.

Outro reforço importante é a coleta externa da Unidade Móvel do Hemocentro, que desde o início da pandemia tem funcionado com cuidados redobrados, atendendo apenas 50% da sua capacidade. Além das ações em empresas e igrejas, a unidade também passou a realizar coletas em condomínios residenciais, garantindo segurança aos doadores que puderam salvar vidas sem sair de casa. “Nesse período já coletamos 1.150 bolsas apenas através desse serviço, e para quem gostou da ideia e quer fazer uma solicitação é muito simples, basta ter a confirmação de 60 pessoas interessadas e fazer o pedido pelo e-mail: [email protected] ou pelo telefone (62) 3201-4101″, pontua Denyse.

Doação segura

A Hemorrede Pública de Goiás adotou todos os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS) e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) para segurança dos doadores em suas unidades. Denyse explica que foi adotada uma rotina criteriosa de limpeza dos espaços e móveis, nova metodologia de triagem, além do treinamento de todos os servidores das unidades. “Estamos fazendo a nossa parte e pedimos que o doador também faça a dele, fazendo o agendamento da doação pelo site agenda.hemocentro.org.br ou por telefone 0800 642 0457, e vindo ao Hemocentro usando máscara, fazendo a higienização das mãos logo na chegada, evitando trazer acompanhantes e respeitando os limites que delimitamos entre as cadeiras para manter o distanciamento entre as pessoas dentro das unidades”, esclarece.

O MS orienta para que pessoas que tiveram contato com pacientes infectados ou com suspeita de Covid-19 fiquem impedidas de doar sangue pelo prazo de 14 dias. Para quem foi considerado caso suspeito ou confirmado, o prazo é de 30 dias após a remissão dos sintomas. Além disso, todos os doadores passam por uma criteriosa triagem que verifica se o candidato está apto para fazer a doação de sangue.

Quem pode doar?

Os requisitos básicos para passar pela entrevista pré-doação de sangue são: estar saudável, ter peso acima de 50 kg, apresentar documento com foto válido em todo o território nacional e idade entre 16 e 60 anos, sendo que antes de completar 18 anos é necessária uma autorização dos pais ou responsáveis. A orientação é que doadores acima de 60 anos, fiquem em casa, visto que são pessoas do grupo de risco do novo coronavírus. Quem tomou a vacina da febre amarela deve aguardar 30 dias para fazer uma doação. Já para vacina contra gripe, o prazo é de 48 horas.

Serviço:

Junho Vermelho

Quando: 1 a 30 de junho de 2020

Horas: 8 às 18 horas

Onde: Hemocentro Coordenador Estadual Professor Nion Albernaz (Avenida Anhanguera, nº 5.195, Setor Coimbra), em Goiânia, e unidades do interior em Catalão, Ceres, Formosa, Iporá, Jataí, Porangatu, Quirinópolis e Rio Verde.

 Assessoria de Comunicação do Idtech

 

- Publicidade -
- Advertisement -

Últimas Notícias

Boletim diário do coronavírus passa por mudanças

Bolsonaro confirma alterações e diz que medida visa “evitar subnotificações e inconsistência” Ana Caroline Alves Nessa última sexta feira (5),...

Educação em tempos de pandemia

Diante da pandemia e do fechamento temporário das escolas, o ensino a distância (EAD) vem sendo utilizado para minimizar o impacto negativo sobre a...

Para os apaixonados

Goiânia contara com uma programação super especial para os dias dos namorados Barbara Zani Borborema Miranda Apesar do isolamento social, Goiânia volta o tempo da brilhantina...

Junho Vermelho reforça importância das doações de sangue na Hemorrede Pública de Goiás

Com a pandemia, bancos de sangue da rede pública de saúde de Goiás registraram queda de 15% no último mês  Assessoria de Comunicação do Idtech  A...

Processo de superação do câncer vira livro de professora de comunicação da UFG

“A superação está no tratamento, mas está, acima de tudo, em nós mesmos”.  Por Raimunda Araújo A superação de uma doença contada em livro. O...
- Advertisement -

Notícias Relacionadas

- Advertisement -